Viver o Advento como Pessoas Novas!

A Igreja nos pede que o Tempo do Advento seja santificado por todos os seus filhos e filhas.

 

Santificar este Tempo quer dizer fazer obras que sejam boas e praticar aquelas virtudes que nos ajudam a deixar o “homem velho” para revestir-nos de Cristo Jesus (cf. Cl 3, 9-10). Quem realiza isso é um Cristão verdadeiro e um verdadeiro filho de Deus. Santificar este Tempo de Advento com a oração e sobretudo com o coração. Contemplar o grande Mistério de Deus feito homem para salvar a humanidade. O Advento é Tempo de graça e de salvação.

Jesus vem e se faz Caminho, Verdade e Vida para o mundo e para todos aqueles que perderam a estrada que conduz direto ao céu. Se estais fora da estrada, retornais no reto caminho. Que este Tempo seja para vós, caríssimos, um Advento santo, rico de fervor e de empenho. Pois Deus Pai envia o seu Filho Unigênito na terra, assumindo a carne humana para salvar a humanidade. O seu amor se manifesta, de maneira clara, no Mistério da Encarnação.

Do Mistério da Encanação resplandecem sete perfeições que devem vos servir como estímulo para louvar a Deus ao menos sete vezes ao dia, se fosse possível, desejando, juntos, amá-Lo e servi-Lo de todo coração:

  • Bondade - o primeiro mistério que contemplamos em Deus é a bondade que se revela próprio na sua vontade de salvar a humanidade entregando-se a si próprio: fazendo-se Homem entre os homens, tornando-se igual a nós, exceto no pecado.
  • Caridade - a fé do homem em Deus e aquela de Deus no homem, o Pai quis que todos os homens fossem uma coisa só com Ele, próprio através da união de amor: “Ele que não poupou o seu único Filho, mas o deu por todos nós, como não nos doará tudo junto com ele?” (cf. Rm 8,32).
  • Misericórdia - Deus nos fez conhecer a sua misericórdia, que, de maneira maravilhosa, está de acordo com a justiça. Deus poderia ter mostrado a nós uma misericórdia maior do que aquela de vir pessoalmente e trazer-nos alívio para as nossas misérias para que pudéssemos superar as tristezas e retornar a Ele?
  • Justiça - a justiça de Deus chegou a enviar a nós o Filho feito homem para que a distância entre nós e Ele pudesse ser superada, com uma participação superabundante à nossa vida. Este é o mistério da misericórdia e da justiça, unidas juntas.  Por meio da Encarnação, somos partícipes da natureza divina e Deus assim é partícipe da natureza humana. 
  • Sabedoria - entre os dons existe a Sabedoria do Senhor, magnificamente revelada na Encarnação. Esta sabedoria divina encontra uma maneira de unir coisas que a nós parecem muito distantes, como Deus e o Homem, a eternidade e o tempo, o impossível e o possível.
  • Onipotência - Deus não somente soube fazer coisas estupendas, mas também quis fazê-las, graças à sua onipotência que lhe permitiu de honrar e enriquecer o homem que era a sua obra perfeita no momento da criação.
  • Santidade - todas as virtudes foram dadas ao Filho feito homem, para que Ele fosse o retrato visível do rosto invisível de Deus, ensinando a nós, com o seu exemplo, que é possível viver as virtudes na nossa humanidade, ajudando-nos, com a Palavra, e que é possível buscar, sem encontrar desculpas, de tornar-nos mais virtuosos os santos.

A Igreja compreende bem a importância e a santidade deste Tempo feliz, e exorta a aproveitar santamente deste Tempo precioso, escutando a Palavra de Deus, que é Vida da alma. Em uma palavra, sejais sempre vigilantes e exultais de puro gaudio e de gratidão, dispondo-nos a vinda do Senhor!»

(Escritos do Bv. Zefirino Agostini, Homilias do Advento, uso manuscrito)

Pensamento do dia:

Deus jamais dá seus dons por acaso.

(Bv. Pe. Zefirino Agostini)